Doutor Estranho | Resenha [Antes tarde do que nunca!]

Sim, fomos tarde. Mais tarde do que outros filmes sobre os quais temos postado nossas críticas. Talvez você mesmo já tenha assistido ao filme antes de nós, mas assistimos, isso é o que importa. Agora, sentado em frente ao computador, é hora de reproduzir a experiência do filme de forma escrita para você, caro leitor. Mas a questão é: COMO COMEÇAR?

Primeiramente, gostaria de ressaltar que as partes em vermelho são spoiler. Fique atento!

O filme começa do início. A história de Stephen Strange, ou até mesmo o próprio personagem, pode não ser muito familiar a todos, principalmente aos nerds de primeira viagem, aqueles que começaram a ter maior interesse pelo universo Marvel e DC Comics após os lançamentos dos primeiros filmes – estourando com mais força com Vingadores -, onde a cultura geek começou a ser mais valorizada e entrar na moda. Assim, o filme começa contando a história de Strange, desde sua vida comum, o que o leva em busca do conhecimento da magia e a conquista do conhecimento. Foi um ótimo resumo, onde o próprio ator Benedict Cumberbatch entrou muito bem no personagem. Sua atuação desde o Stephen arrogante, passando pelo acidente e parando no Doutor Estranho, já como um mago, foi muito boa, embora não seja bem a história verdadeira de Stephen Strange entrando para o mundo da magia.

Embora tenha coisa bem fiel aos quadrinhos, muita coisa teve que ser inseridos com a criatividade do diretor, pois não se pode resumir perfeitamente toda uma história em quadrinhos dentro de um filme. Sem contar que a história está muito diferente dos quadrinhos, mas isso eu posso explicar com mais clareza lá em baixo.

O vilão Dormammu seguiu mais ou menos o modelo de outros, como o Galactus, do filme Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado, onde ele era uma gigante fumaça negra, ou sei lá o que. Não ficou tão ridículo quanto, mas não se parece com o vilão dos quadrinhos. E de um gigante daqueles, na hora de atacar o Strange, esperava formas melhores de matá-lo. Mas quem não conhecia o personagem e sua história, não vai notar diferença alguma, mas quem já conhecia pode não ter aquela emoção esperada, mas vai gostar do filme sim.

Vamos ressaltar a atriz Rachel McAdams, que agora, com esse filme, entrou para o time de atores já famosos que fazem parte do universo cinematográfico da Marvel. Nunca a achei uma atriz muito boa, parecia ser sempre a mesma pessoa. Nunca vi muito nela a versatilidade de se transformar em seus papeis, mas tudo bem. Sua participação no filme foi crucial como a Dra. Palmer.

A produção foi excelente. Ótimos efeitos visuais. A qualidade está impecável. O filme deu, com certeza, um trabalho bem grande para ser feito. Um filme com tanta magia e tantas cenas sobrenaturais, mas nada ficou ruim. Tudo com cuidados em cada detalhe, passando um ótimo grau de realidade.

Infelizmente, nada é perfeito. Embora Doutor Estranho seja um ótimo filme, tem lá seu lado fraco. De início posso falar das piadas forçadas. O roteiro é bem fraco quando se trata de comédia. Podemos vê-los tentar, mas não ficou bom, quase ninguém riu em quase todas as cenas. Não quero chamar o filme de previsível, mas tem muitas cenas que você vê e já sabe como vai ser, antes de acontecer de fato. Sem contar com a forma como ele salva o mundo, muito cara de heróis Marvel. Se eu paro para recordar todos os filmes mais recentes, principalmente, do universo Marvel/Disney, é fácil perceber como eles fazem a mesma coisa em comum. Como SEMPRE, o heróis se sacrifica para mostrar que é um cara fofo a ponto de dar sua própria vida para salvar o mundo. Meio clichê, eu acho. Pense bem, tony Stark (“Vingadores”), todos os vingadores (“Vingadores: Era de Ultron”), os Guadiões da Galáxia (onde, no filme, todos se sacrificam. Até o Groot, que foi o primeiro a morrer), Thor (em seu primeiro filme), Scott Lang (“Homem-Formiga”), Capitão América (em seus dois filmes)… E não muda muito no universo da DC. Afinal, como o Superman salvou o mundo do Apocalypse mesmo? Ainda assim, o filme é muito bom.

Como é de se esperar, por causa dos trailers, tem que prestar bastante atenção para não se perder. Sim, as cenas são muito loucas. Ou você tem uma boa imaginação, ou vai ficar tontinho com tudo o que acontece. Esse lance de multiverso é demais para algumas muitas cabeças.

No fim, ele consegue fazer um acordo com Dormammu e trazer a paz à Terra. Pelo menos por enquanto. E se você parar para perceber, Kaecillus também estava muito fraco para um vilão daquele nível. Na primeira luta com Strange ele ainda saiu perdendo.

Ah, não saia do cinema. Não antes das duas cenas pós-créditos. Sim, DUAS cenas pós-credito. As duas são bem legais, embora eu tenha gostado BEM mais da primeira. Claro que não pode faltar aquela ligação com os Vingadores. Caso você não saiba, o Doutor Estranho faz parte de um grupo chamado Illuminati, que não tem NADA a ver com o grupo que dizem que existe de verdade e domina o mundo. No universo Marvel, esse grupo foi responsável por algumas coisas bem importantes, como o envio do Hulk para o espaço, onde ele acaba caindo no tal “Planeta Hulk”. O filme não mostra diretamente essa relação dele com o grupo, que provavelmente ainda nem exista no universo cinematográfico, mas há a participação do Thor.

Na cena, ele conversa com o deus nórdico sobre o perigo que seu irmão Loki representa a Terra. Thor explica o motivo, o que tem a ver com o que vai rolar em seu próximo filme, “Thor: Ragnarok”. É uma conversa bem interessante e até meio engraçada. O negócio é que não tem como não se arrepiar com sua fala final, onde ele diz que vai os ajudar nessa missão. Ou seja, O DOUTOR ESTRANHO ESTARÁ NO PRÓXIMO FILME DO THOR! Bom, pelo menos é o que parece.

Para encerrar, na segunda cena, vemos algo finalmente copiar os quadrinhos. Algumas pessoas podem e vão estranhar o fato de Stephen ser amigo do Barão Mordo, mas o filme mostra como ele vai se revoltando e começando a ser mal. Isso é revelado de fato na segunda cena pós-crédito, onde ele mostra que vai começar a caçar magos, guiado por sua forma de pensar, junto à sua raiva e revolta. Mesmo que não seja o motivo BEM original aos quadrinhos ou o próprio personagem não se pareça… Ou mesmo o fato de Stephen entrar para o mundo da magia ainda quando Mordo era um mestre, amigo da Anciã, que morre no filme. Sim, ela morre… E de uma forma bem sem-gracinha.

Ah, a Anciã. Quem conhece, sabe que o personagem é O ANCIÃO. HOMEM. Mas eles acharam que seria mais legal colocar uma mulher, por causa de estereótipo que representava o personagem e etc. Mas não é que ficou mesmo?! Na minha sincera e humilde opinião, de um cara que ama e defende sempre o original, acho que gostei muito mais da Tilda Swinton no papel do que gostaria se fosse um homem.

Enfim, o filme está muito diferente do original. Existem coisas fieis, mas a história saiu bem diferente. Ainda assim, ficou muito legal e vale a pena conferir. Caso você já tenha assistido, não exite em deixar seu comentário. Queremos saber a sua opinião.

Compartilhar:

G.A. Oliver

O nerd mais sexy da internet! Blogueiro, músico, estudante de Física "Trabalho na OBA! (Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica) como planetarista e faço parte do GFRJ (Grupo de Foguetes do Rio de Janeiro)". Instagram e Twitter: eugaoliver

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta