Outcast | O que achei da nova produção da Fox?

A série mais esperada da Fox teve sua estreia na noite do último domingo, 5, levando o Twitter à loucura com a hashtag de mesmo nome da série. Criada por Robert Kirkman, mesmo criador de The Walking Dead, Outcast trouxe um tema completamente diferente da aclamada série de zumbis. Agora se trata de possessões demoníacas.

Assistindo a série, pode-se notar que é algo bem diferente do que estamos acostumados a ver em tal tipo de produção. A Fox nos trouxe uma temática bem mais sombria, com uma pegada um pouquinho mais puxada para o terror. Não que a série seja de dar medo (pelo menos, não para quem é mais exigente com terror), mas as cenas são um tanto mais fortes do que o que costumamos ver em séries que tratam dos mesmos assuntos.

A produção é impecável. A qualidade de imagem e o cuidado com cada detalhe nas cenas chega bem perto de uma produção cinematográfica. Não muito atual, mas algumas um pouco mais antigas, como os filmes de terror feitos entre os anos de 2005 e 2012. Os efeitos especiais são incrivelmente bem feitos e a montagem é excelente.

A história me lembrou um pouco os clássicos filmes de exorcistas desacreditados que decidem ajudar uma vítima de possessão demoníaca e retomam sua fé. Não é bem isso, ele não é um padre. Como é início de série, primeiro episódio, as cenas priorizaram mais a história de Kyle Barnes, o protagonista, do que o que realmente estava acontecendo. Mas é, com certeza, uma história bem legal.

O maior problema com Kyle foi a atuação de Patrick Fugit, intérprete do personagem. O ator realmente deixou a desejar, pois não estava nada convincente e não parecia um homem em depressão. É mais fácil acreditar que o homem é um jovem rebelde com sono do que um homem que passou por traumas e está em depressão. Mas pode ser um dos casos de superação, onde o ator começa a ser estimulado pela fama de seu personagem e se dedica melhor ao papel.

Mas o que Patrick perdeu em atuação, Gabriel Bateman ganhou de forma espetacular. O ator que interpreta Joshua Austin, o menino possuído, deu um show de atuação. Claro que as cenas de exorcismo do garoto eram claramente quase idênticas à um O Exorcista da vida. Entretanto o pequeno Bateman brilhou em seu papel de maneira incrível, mostrando o grande talento do pequeno ator.

Para os que assistem séries dubladas, devo informar que me decepcionei com a versão dublada de Outcast. Tanto à nivel de dubladores quanto ao de qualidade de dublagem. Não assisti toda em português, mudei para o áudio original logo após o primeiro intervalo comercial, mas a dublagem deixou um pouco a desejar.

Alguns efeitos lembram um pouco a série Sobrenatural (Supernatural), com aquelas fumacinhas de demônios. Inclusive, quando o demônio sai do corpo do garoto, vemos que ele estava sendo possuído pelo vilão Venon. Brincadeira, é uma piada. Mas quem assistiu ao terceiro filme do Homem-Aranha, com Tobey Maguire, vai entender a referência.

Nesta crítica, a série ganha quatro estrelas. É realmente muito boa e vale a pena assistir. Se você estava esperando que Outcast fosse algo como The Walking Dead ou, na melhor das hipóteses, Sobrenatural, pode esquecer. A série chegou superando expectativas e mostrando que vai trabalhar para chegar o mais próximo do terror.

Confira o trailer da série:

Compartilhar:

G.A. Oliver

O nerd mais sexy da internet! Blogueiro, músico, estudante de Física "Trabalho na OBA! (Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica) como planetarista e faço parte do GFRJ (Grupo de Foguetes do Rio de Janeiro)". Instagram e Twitter: eugaoliver

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta