Pokémon GO | Estamos sendo espionados?

Pouco tempo depois de lançado o tão aguardado Pokémon GO, começou a circular pela internet uma teoria dizendo que o jogo fazia parte de um projeto da CIA (Central Intelligence Agency), a central de inteligência do governo americano, para ter acesso à privacidade dos jogadores, captando imagens do interior de suas residências. Vamos falar sobre o assunto.

A história faz uma ligação entre John Hank, criador da empresa Niantic, que é a responsável pela tecnologia utilizada no jogo da Nintendo (Pokémon GO), com a CIA. Em certo tempo, a mensagem virou uma corrente muito vista inclusive no Whatsapp. É verdade? É mentira? Tem algo que seja verdade ou mentira? Fui desafiado à pesquisar sobre o assunto.

Além disso, como o famoso “telefone sem fio”, houve outra especulação sobre o fato do nome Pokémon significar “diabo de bolso” (ou coisa parecida). Primeiramente, antes de entrar na tal relação entre o jogo e a espionagem, gostaria de esclarecer que o nome do jogo, baseado no clássico desenho de mesmo título, vem do nome “monstro de bolso [Pocket Monster]”. É chamado assim porque as criaturinhas são pequenos monstros que capturamos e guardamos em Pokebolas, podendo levar para qualquer lugar sem fazer muito volume. Encurtando “Pocket Monster”, vira “Pokémon”. Não é uma ideia que eu tive, este realmente é o significado.

Agora, falando à respeito da tal espionagem. A mensagem começa falando: “O Pokémon GO foi fundado por este cidadão: John Hanke”. Não exatamente, amigo(a). A iniciativa (a ideia de criar o jogo) veio do desenvolvedor Satoru Iwata e pelo CEO da Pokémon Company, Tsunekazu Ishihara. Como Tsunekasu conhecia o bom trabalho da Niantic, convidou Hanke para fazer parte do projeto.

Um dos trabalhos mais conhecidos da empresa foi o Ingress. Trata-se de um jogo bem parecido com Pokémon GO, mas ao invés de caçar Pokémon, procuramos portais fictícios em locais reais. Tanto que, utilizando os dados deste mesmo jogo, a Niantic escolheu quais lugares seriam as Pokestops.

Depois a mensagem diz: “Ele também fundou a empresa Keyhole, Inc. / Essa Keyhole é um projeto de mapeamento de superfícies, foi comprada pelo Google e usado para fazer o Google Maps/Earth e Street view. Essa Keyhole foi patrocinada pela empresa In-Q-tel, que foi fundada pela CIA em 1999 (só entrar no site deles e comprovar).”

Sim, Hanke criou a Keyhole, em 2001. Era uma startup que tinha o objetivo de criar um software para visualizar dados geoespaciais. A In-Q-Tel, citada como a empresa que investiu na empresa criada por Hanke, costuma investir em startups de tecnologia que possam ajudar a manter as agências de inteligência americana sempre equipadas com o melhor da tecnologia da informação.

A In-Q-Tel investiu na Keyhole em 2003, especificamente, com o objetivo de fazer mapeamentos durante a Guerra do Iraque. Mas em 2004 a empresa foi comprada pela Google, para a criação dos mapas do Google Street View.

Então podemos ver que a CIA teve sim um certo poder com o software da Keyhole, mas utilizou em apenas 1 ano durante a Guerra do Iraque. Logo depois, a empresa foi parar nas mãos do Google, que apenas queria criar mapas para seus consumidores (qualquer pessoa que usa a internet e precisa encontrar algum lugar).

Mas as agências de proteção aos dados dos usuários notaram que durante a passagem dos carros do Google Street View pelas ruas, foi possível que eles tenham coletado informações das redes Wi-Fi de usuários. Apesar de o Google negar que tenha coletado informações, estima-se que tenha interceptado milhares de gigabytes de informações de pelo menos 30 países.

Mas, voltando ao caso Pokémon GO, a mensagem também dizia: “Veja bem, você leu os termos de aceitação pra usar o jogo? Acho que ninguém vai ler né? São esses: Nós cooperamos com agências do governo e companhias privadas. Podemos revelar qualquer informação a seu respeito ou dos seus filhos; Nosso programa não permite a opção ‘Do not track’ (‘Não me espie’) do seu navegador”.

Sim! Eles fazem realmente tudo isso, mas não é bem da forma como muita gente têm pensado. Eles podem e vão revelar qualquer informação sua para agências do governo. Isto porque eles cooperam com a lei, e qualquer informação compartilhada com o jogo será usada em casos judiciais.

Quando você começa a jogar, após o download do aplicativo, é preciso que você crie uma conta na Pokémon Trainer Club ou entre com uma conta do Facebook ou Google. Se você não quer de jeito nenhum que saibam quem você é, não é difícil criar uma conta falsa no Google e usar o jogo normalmente. Mas não tem como mentir quanto à sua localização. Mesmo que você pudesse, o mapa do seu jogo seria completamente bugado aos seus olhos.

Além do mais, a empresa mostra nos termos que muitas das informações que serão compartilhadas com terceiro, na maioria das vezes, não passam do nome de usuário (que é um nome que você inventa para jogar) e talvez até a localização.

Como eu li todo o termo para fazer esta matéria, pude notar que eles mostram diversas vezes que não vão compartilhar todos os dados do usuário. Também dizem que SOMENTE serão compartilhados, além de casos judiciais, quando se tratar de alguma reclamação ou pesquisa que possa melhorar a experiência do usuário no game.

A opção “Do Not Track [Não RASTREIE]” não pode ser usada simplesmente porque sem saber sua localização NÃO TEM COMO VOCÊ JOGAR. Como encontrar Pokémon perto de você se o jogo não sabe onde você está?

Ainda assim há gente preocupada com isso. Pessoa, você não usa o Waze, Facebook, Instagram, Snapchat, Twitter… Vou lhe contar um segredo: Todos eles rastreiam você.

Além do mais, também há uma parte dos termos que diz que eles utilizam Cookies para identificar quando você interagiu com eles, mas que são apagados quando você sai. Isto não é nada além do que TODOS os sites fazem.

Veja bem, os sites sobrevivem na internet graças aos acessos. E para controlar os acessos é preciso que saibamos quantas máquinas estão acessando, quando acessam e quantas vezes acessas. Assim podemos distinguir “acesso” de “visitante”.

Além do mais, a empresa pode sim ter acesso ao modelo do seu smartphone para lhe proporcionar uma melhor experiência de uso, assim como os sites de download sabem se você pode ou não baixar tal arquivo; ou sites quaisquer sabem como se adequar ao formato da sua tela e modo de uso.

Para jogar você precisa dar permissão pro aplicativo usar a câmera, gps, microfone e até os dispositivos USB que estiverem conectados no seu smartphone.”

Como é que é? Sim, como foi explicado acima, você precisa liberar informações sobre sua identidade (ainda dei uma ideia para quem não quer liberar informações reais), localização (se não você não vai ter um mapa correto com os Pokémon corretos), mas microfone e dispositivos USB? Não há nenhuma especificação nos termos à respeito disso.

E utilizando a câmera, você não precisa necessariamente estar em casa, até porque o jogo tenta ao máximo fazer com que você saia de casa e ande pelas ruas atrás das criaturinhas. E quando você está em casa e vai pegar um Pokémon que apareceu nela, não precisa pegá-lo na porta ou na janela, pegue-o no chão. Mire a câmera para o chão e capture o Pokémon. A única foto que eles terão (se tiverem) é do chão da sua casa.

E não, os primeiros bichinhos não aparecem necessariamente em seu lar. Os meus, por exemplo, tive que correr de casa para pegar em outra rua.

Além do mais, fazer um mapeamento exato do seu lar seria BASTANTE complicado, vendo que você pode pegar um Pokémon que o mapa diz estar a três metros de distância, como se estivesse apenas a alguns centímetros de você. Sem contar que o mapa não reconhece parede, então…

Se você mora em apartamento, pode pegar um Pokémon que está sendo localizado no térreo, do lado de fora do prédio onde você mora. E ele vai aparecer para você como se estivesse em seu mesmo plano e em seu mesmo cômodo.

Enfim. Pokémon GO foi feito para tirar os jogadores sedentários de casa e terem a experiência real que tantos sonharam em ter: caçar Pokémon nas ruas.

Se podemos ser vigiados? Claro! Afinal, somos vigiados o tempo inteiro. Mas se você não gosta e não suporta a ideia de um aplicativo que tenha acesso à suas informações, então acho melhor pensar um pouco melhor quanto ao Facebook, instagram, snapchat, whatsapp, twitter… As informações que estes têm acesso são muito maiores do que o jogo da Niantic.

Se você não quer um jogo que simplesmente precisa da sua localização, câmera e identificação, então por que usar redes sociais que têm acesso à localização, câmeras, identificação, fotos, vídeos, contatos…

Não estou querendo defender o Pokémon GO, não sou advogado da Niantic e a NerdLine não possui qualquer tipo de apoio da empresa. Estamos aqui com apenas um intuito: informar.

Compartilhar:

G.A. Oliver

O nerd mais sexy da internet! Blogueiro, músico, estudante de Física "Trabalho na OBA! (Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica) como planetarista e faço parte do GFRJ (Grupo de Foguetes do Rio de Janeiro)". Instagram e Twitter: eugaoliver

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta