Game of Thrones 8×05 – The Bells [Line de Séries]

Com cenas épicas, mas com roteiros mal feitos em que não há mais coerência nos personagens. Será que ainda há salvação para essa temporada de Game of Thrones?

A cada semana de GOT nos sentimos caindo mais fundo, mas esse episódio chegamos ao fundo do poço. O que está acontecendo? Tiveram 2 anos para produzir essa temporada, um orçamento gigantesco e o que foi feito com tudo isso? Nada que preste. Na internet há até rumores de que D&D desviaram dinheiro das verbas para o bolso deles, de tão absurda que está a situação.

Game of Thrones sempre foi conhecida por não ter medo de matar os personagens, e não há problema nenhum nisso. Desde que seja consistente, coerente e tenha algum sentido para a narrativa. Nessa temporada não houve nada nesse sentido. Tudo foi colocado ali para efeito extremamente dramático e para causar choque e comoção na audiência. É como se fosse um tiroteio e quem for atingido é lucro.

Depois de último episódio, já sabiamos que Daenerys iria querer vingança. Que Jamie iria atrás de Cersei e que Arya iria atrás de vingança. Porém o desandar dos fatos não foi condizente com tudo que esses personagens representavam.

Daenerys nunca foi uma tirana, ela sempre foi conhecida como Mãe, Quebradora das Correntes, ela luta pelos inocentes, ela mesmo já tendo declarado a Olena Tyrell, quando esta sugeriu que acabasse com Porto Real, que não estava ali para ser Rainha das Cinzas. Ela destrói seus inimigos, não pessoas inocentes presos na briga de gigantes. Nesse episódio, depois que a os sinos tocam sinalizando o rendimento da cidade, ela vai contra todos os seus ideais: ela começa a queimar a cidade e toda a população amedrontada pelas duas rainhas que estavam lá. Era compreensível que ela direcionasse a sua raiva pela Cersei, assim como ela fez anteriormente com outros inimigos, mas NADA justifica essa ação dela. Quiseram que ela se tornasse Rainha Louca para chocar a audiência, mas esqueceram de criar uma base na série pra isso. E aqui morre o desenvolvimento de mais um personagem nessa temporada que já fez diversas vítimas nesse quesito.

Jamie, depois de várias temporadas evoluindo para se livrar da Cersei, lutando pelo povo na batalha contra o Rei da Noite, depois de ter matado Aerys e perdido sua honra para defender o povo… diz que não se importa com eles. Simples assim, mudou de ideia do dia pra noite. Achei que teria ainda alguma redenção e ele tentaria matar a Cersei. Mas ele vai lá salvar ela, quase morre nas mãos do Euron, e tem uma morte mais desonrada ainda: morre soterrado. Mais um desenvolvimento de personagem morto. Prova de que essa temporada foi feita ás pressas: além do copo de Starbucks deixado no episódio passado, nesse a mão direita do Jamie se regenerou em uma das cenas dele com Cersei.

Cersei, que só desistiu da batalha e resolveu se esconder no último minuto possível, teve o final mais ruim que alguém poderia ter. Morreu soterrada e chorando, uma vergonha depois de tudo. Ela não chorou na caminhada da vergonha, e ai chorou com a morte vindo. Eu podia aceitar a morte da personagem, mas essa morte fraca e patética foi ridícula. Tyrion, o personagem mais inteligente da série, foi chorar para o Jamie ir salvar a Cersei, mesmo que isso significasse trair sua rainha, o que ele mesmo entregou o Varys á morte por ter feito anteriormente. Jon Snow finalmente deixou de ser trouxa e pau-mandado da Dany, e Arya desistiu de sua vingança tão esperada com medo de morrer. Não vamos fazer a soma de quantos desenvolvimentos de personagens foram pro lixo pra não ficar mais feio pra série.

As cenas de ação foram ótimas, a tensão que conseguiram criar antes das batalhas nos deixam animadas, a atuação da Emilia espetacular, os CGI das lutas e da destruição também. A trilha sonora, conseguindo passar toda a tensão (mas foi Rains of Castemere que tocou no final? Foi uma ironia ou usaram de maneira errada a música?) e até alguns diálogos são bons de se ouvir. Porém, isso não consegue compensar pela falta de um roteiro bem feito, que é nada menos do que GOT merecia.

Nota final: 2,5/5,0

Compartilhar:

Lais Alves

19 anos, se esforçando pra sobreviver em uma dessas cidades tumultuadas de São Paulo e tentando ser poliglota. Quer muito ser cinéfila, mas o interesse nos blockbusters acaba atrapalhando. Suas heroínas favoritas são, secretamente (ou nem tanto) a Feiticeira Escarlate e a Mulher Gavião e chora quando vê algum famoso na frente.

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.